313

313 – “Oi!  Tenho mais relatos para a página de vocês:  Um dia peguei um ônibus na volta da faculdade pra casa como sempre faço. Durante o trajeto,sentei num bando de corredor e ao meu lado um cara parou e ficou ali em pé. Às vezes tinha a impressão de que ele posicionava a pélvis pra frente,na altura da minha cabeça e pensei q o busão estivesse cheio e por isso a falta de espaço dele. Mas vi depois que tinha espaço de sobra pra ele ficar afastado de mim…comecei a ficar chocada. Minutos depois deu uma pequena esvaziada e ele sentou do meu lado. Em seguida percebi que não parava de se mexer e então me perguntou se aquele ônibus ida pra um lugar X.  Disse que vai pro Y(no letreiro tava escrito que ia pra Y). Ou seja,queria puxar papo. Depois ele começou a mexer muito o braço,esfregando e fazendo movimentos de vai e vem no meu. Olhei de soslaio e vi que o infeliz estava acariciando o pênis por cima da calça! Fiquei azul/roxa/pálida/tensa demais,mas me mantive mais fria que um cubo de gelo. Não saí dali talvez por choque ou porque não queria dar o braço a torcer,não sei bem o que me passou. A criatura chegou até a futucar o seu braço no meu como se quisesse que eu olhasse para o que estava fazendo. Comecei a ficar desconfortável e assustada. O sangue fervia. Até que perguntou se eu ia descer no próximo ponto e eu o respondi com um “não” bem frio fuzilando ele com o meu olhar… Viu que não ia conseguir nada e desceu correndo,como se tivesse fugindo. Ficou ali parado na calçada,nem foi caminhar como uma pessoa normal faria. Me senti aliviada e ao mesmo tempo com raiva e medo,pois e se eu descesse antes? Será que iria atrás de mim? Enfim…senti como se meu braço estivesse sujo.”