335

335 –  “Bom, uma vez, quando eu tinha 14 anos eu estava saindo de um shopping com a minha mãe. Ela virou para atender o celular, e então eu vi um braço me segurando pela cintura. Um cara me agarrou por trás, me encoxando. Ele chegou perto do meu ouvido e me chamou de “princesa”. Eu fiquei paralisada, não conseguia me mexer. Ele saiu sorrindo e debochando de mim, mandando beijinhos. Naquele dia eu pedi pra minha mãe pra gente ficar mais um pouco no shopping, porque eu estava com medo de voltar pra casa a pé e aquele cara aparecer de novo. O pior foi quando minha mãe contou pro meu pai e ele riu, feliz pela filha dele ser agora “uma moça”, atraente aos olhos masculinos. Ainda lembro daquela voz nojenta, ainda fico nervosa quando estou andando sozinha na rua e vejo um homem passando, não abraço mais homens quando vou cumprimentá-los, caso sejam apenas conhecidos.”