346

346 – “Quando duas mulheres se beijam em público há uma reação mista muito engraçada, uma delas é que algumas pessoas fazem algum som esquisito de reprovação, isso quando não começam a falar da pouca vergonha que é demonstrar afeto em público (só pra duas pessoas do mesmo sexo, óbvio). A outra reação é ainda pior: homens ficam super alegrinhos de ver duas meninas ali, à disposição deles (er, não), porque obviamente elas estão lá pra dar um show de soft porn pros caras na via pública (er, nãão!). Não importa que você esteja numa bolha de intimidade com alguém, muitos homens têm a audácia de falar todo tipo de baboseira. ‘Nossa, que lindas, posso participar?’, ‘Uau,eu também quero’, ‘A três também pode?’, ‘Ui, quando é a minha vez?’, ‘Ai, que delícia!’. É claro que pra um casal heterossexual você não vai fazer isso, tem um cara lá que pode te socar. Aliás, tem um cara lá. Ponto. Mas como duas mulheres só ficam uma com a outra pra entreter homens (not) é simplesmente lógico que você se dê o direito de participar do momento (NOT), porque mulheres nunca serão um casal, mulheres sempre precisam de um pênis, isso é fato (NOOOT). Isso aconteceu comigo várias vezes. Várias vezes mesmo. Mas uma vez foi simplesmente… Inacreditável. Eu e uma menina estávamos nos beijando quando senti alguém me cutucar. Eram dois caras, um deles disse: ‘Oi, é que vocês são muito lindas, a gente pode tirar uma foto?’. Sério, fiquei em choque. Em cho-que. ‘Como é?’. ‘Ah, a gente quer tirar uma foto de vocês’, ele repetiu e tratou rapidinho de passar o braço no ombro do colega e dizer: ‘A gente também é um casal’. Ah, tudo explicado agora. É claro que um casal de homossexuais está louco pra conseguir uma foto de duas mulheres se beijando. WAIT. WHAT? Eu sabia que eles não eram um casal. Dá pra saber quando há interação de casal entre duas pessoas e, desculpem, dá pra saber se um cara é hétero, bem hétero. E eles eram héteros. E foi aí que a menina que estava comigo (um pouco estourada, devo acrescentar), enquanto eu ainda me encontrava perplexa e abismada, passou a mão na cara de nervoso, o que significa que se eles não fossem embora ia ter briga (briga de verdade). Disse que não, não podiam. ‘Ah, sério? Deixa’. Nem deu, a menina ficou putíssima, assim como eu, e começou a xingar os caras: ‘Foto minha é o c*ralho, cês tão pensando o que? Que isso aqui é showzinho? Vão olhar o redtube, seus escrotos! Cês não têm noção não? Isso aqui não é pra vocês, vai tirar foto da sua mãe de calcinha!’. Até hoje eu não sei se rio ou jogo um copo na parede quando lembro dessa história.”  Ana