A humilhação demorou para acabar – 784

784 – “Bem falarei o que me aconteceu em um ônibus coletivo de Anápolis, aonde eu moro.

Passei um sufoco bem gigantesco em um trajeto longo, aonde não tinha muitas pessoas no ônibus.
Haviam 3 brutos, que ficavam com gracinhas do tipo. ” Que corpo lindo é o seu” “Como eu queria uma vadia dessas para eu chupar” ” Minha rola a sua disposição”. Sai daquele canto e me mudei para outra cadeira, perto da cobradora. Mas adiantou? Não. Ficavam com o mimi eterno que eu não aceitava elogios, com xingamentos de baixo calão. O pior de tudo, que como o trajeto era longo, a humilhação demorou para acabar.
Não fui encostada, mas palavras daquelas diminui qualquer mulher que já sofreu violência. Eu sofri e sei como é horrível ouvir “elogios machistas”.
Fui estuprada quando tinha 12 anos, é assustador se sentir vítima de novo, não por ações e sim palavras malditas.
Obrigada por mostrar que não era uma nova neura minha, isso é uma doença. Cantadas são desrespeitosas, diferentes de um elogio
Até outro dia.”