a página me inspirou a reagir contra o assédio na rua – 806

806 – “Olá. Como muitas aqui, acompanho a página há muito tempo e ela me inspirou a reagir contra o assédio na rua (em situações que eu me sinto segura a fazê-lo, como durante o dia e na presença de outras pessoas…), então, em primeiro lugar, obrigada a quem ajuda a manter esse espaço de desabafo e encorajamento.

Infelizmente, poderia escrever vários relatos aqui, mas o que me motivou a escrever foi o resultado da enquete “Chega de Fiu Fiu”, particularmente a reação do “galanteador” quando nós respondemos à cantada. Se o assédio em si já nos deixa cheia de raivas, o pior é ouvir depois: ‘baranga, tá se achando, nem foi pra ti’ – esse último sim, o suprassumo da covardia e a prova de que eles NÃO QUEREM NADA CONOSCO, apenas nos intimidar.
Essa semana tem feito um calorão em Porto Alegre, após um terrível inverno, e lá fui eu ao salão de shortinho; pra quê (não que eu não tenha sofrido assédio com 3 camadas de roupa há algumas semanas atrás)… Uma criatura chegou perto e falou “minha nossa hein?”
Minha reação foi dar meia volta e ir atrás dele, e perguntar “minha nossa o quê?” e ele teve a CARA DE PAU de falar “foi contigo?”
Naaaaão, por favor… eu tenho tido a maior paciência ultimamente, tentando explicar que cantada de rua não é legal, etc. etc., mas negar o assédio me deixa puta da vida; ele ouviu poucas e boas depois dessa, e fiquei muito feliz em vê-lo super envergonhado.
Abraços a todxs,”