A partir daí todo o abuso começou – 789

789 – “Ao ler o relato 768, lembrei de algo que me aconteceu em 2005 quando tinha 17 anos.
Nessa época frequentava eventos e comunidades no orkut de animes e mangás, gostava muito.
Como esse meio é nerd e formada em sua maioria por gente tímida e que sofria bullying na escola/faculdade, era normal que as pessoas adicionassem o perfil e o msn de quem achava legal e atraente, era uma forma de paquerar. Eu adicionei algumas, principalmente garotos.
Batia papo pra conhecê-los melhor a fim de fazer amizade e quem sabe arranjar um namorado.
Eis que um deles, de 21 anos, perguntou se eu iria a um evento tal, pois queria me conhecer pessoalmente. Respondi que sim e combinamos de nos ver.
Chegando lá nos vimos, mas não ficamos muito tempo conversando. Preferi ficar com meus amigos.
Ele gostou do que viu e a partir daí todo o abuso começou.
Desde esse dia passou a ficar no meu pé falando que me achou atraente e que queria demais ficar comigo pra quem sabe me namorar.
Eu não tava muito a fim porque não me sentia atraída o suficiente e o tinha achado esquisito.
O tempo passou e estranhamente assim que fiz 18 anos, ele ficou mais em cima e passou a falar de putaria. Continuei enrolando.
Os meses se passaram e ele insistindo em ficar comigo pra namorar. Começou a perguntar sobre coisas eróticas e passou a achar que eu era virgem!
De fato eu era, porém nunca afirmei. Mas por conta do meu jeito de ser, botou na cabeça que era mesmo e ficou com mais vontade ainda de ficar comigo.
Então um belo dia fui vencida pelo cansaço e como não tinha nada melhor pra fazer, resolvi aceitar…pra quê?
A ficada foi horrível. O sujeito além de não saber beijar, tentava passar a mão em mim sem cerimônia na frente de todo mundo! Pra completar me chamou ir a um motel. Perguntei “Como assim?” e ele me respondeu: “Ué, você já não tem 18?” Respondi que não, não queria e pronto.
Ele ficou tão irado que nem disfarçou. Imediatamente passou a me tratar com frieza. Parou de beijar e passou a andar na minha frente…nem encostava em mim. Sumiu do mapa.
Resumindo: tentou me fazer de trouxa pra apenas tirar a minha virgindade! Como não conseguiu, desapareceu.
Fiquei com muito ódio disso tudo e senti necessidade de dar troco.
Tentei entrar em contato depois (pra me vingar) e ele só enrolando e mentindo. A raiva aumentou.
Então resolvi ir aonde tinha certeza que ele estava: na faculdade. Como tinha mesmo que resolver um lance por lá, aproveitei pra ir atrás dele.
Quando o vi, fui até ele, estava com dois amigos. Assim que me viu me deu um “oi” feliz(!) e eu o xinguei muito. Não lembro bem o que disse, mas lembro que dei dois socos na cara dele… Os amigos ficaram chocados.
No dia seguinte veio correndo no msn pedir perdão! Só que nessa de pedir perdão, contou uma história pra lá de absurda pra tentar me convencer de que fez o que fez porque estava com problemas pessoais. É mole?
Muitos amigos meus aplaudiram a minha atitude e uma amiga declarou o seguinte a mim: “Você é minha ídola! É assim que tem que fazer com homens que tentam nos fazer de otárias!”
Em 2009 já no Facebook, o sujeito surgiu do nada querendo me adicionar…ignorei.
Nunca mais o vi até uns meses atrás na rua. Me encarou com uma feição estranhamente normal, parecendo que gostou de me ver (eu hein).
Porém sempre fico pensando como é que pode uma coisa dessas. Um sujeito achar que pode fazer uma pessoa de besta pra conseguir sexo só porque ela é jovem e mulher!”