Agradeço a página, vocês me ajudam a superar a ‘culpa’ – 1058

1058 – Há certo tempo enviei à página o relato de uma experiência terrível, da qual não consegui me recuperar totalmente ainda.

O relato foi sobre uma festa em uma torcida organizada de São Paulo (não sei se é o caso de mencionar o nome) onde, após beber bastante, fui abusada sexualmente, além de sofrer agressões físicas quando implorava para me deixarem sair do lugar onde estava. Nas semanas seguintes, eu ainda tive que suportar as brincadeiras de mau gosto dos amigos do agressor e telefonemas do próprio indivíduo, que resolveu que eu tinha que sair com ele a todo custo.

Isso aconteceu em 2011. Na época, não tive o apoio de quem dizia ser meu amigo e muito menos da minha família. Não denunciei. Convivi com uma culpa que não era minha até encontrar as pessoas certas para conversar. Por mais de um ano e meio eu tive dificuldade em sair de casa por basicamente dois motivos: medo e culpa. Eu me sentia culpada por ter bebido, por ter usado uma roupa considerada “provocativa” em um ambiente com tantos homens.

Acontece que hoje eu vejo claramente que não devemos nos culpar pelo excesso de quem quer que seja. Acho que a página é uma ótima ferramenta para nossa percepção nesse ponto, pois foi lendo os relatos que notei de verdade que o problema não sou eu, não é a guria que está com um shorts curto e nenhuma mulher que sofre qualquer tipo de abuso. O problema está em quem não consegue se conter, em quem quer fazer valer a sua masculinidade a todo custo, sem se importar com a humilhação que sofremos, como se “ser homem” fosse justificativa para tudo que fazem.

Gostaria de agradecer a página e a todxs que participam das publicações. Vocês me ajudam superar, a cada dia, uma culpa que carreguei e a experiência que sofri e que me privou de tantas coisas durante tanto tempo.