Ai, Fulano, deixa de ser ridículo – 1501

1501 – Mais um relato meu com final feliz! huhuhu… Faço faculdade em outra cidade, logo vou e volto de ônibus todos os dias. Eu fiquei duas vezes com um carinha do meu ônibus. Parei de ficar com ele porque me disse que não gostava da madrasta por ela não arrumar casa; que nojo de machista! Eu sou muito ligada em moda, gosto de me vestir bem e chamar atenção por meus looks e esse cara, que aliás é um bocó, sempre me “elogiava”:nossa, que isso… uau… se eu te pego… Ficava envergonhada e até agradecia, mas eu evoluí graças a esta página. Semana passada fui de vestido pra aula, estava já dentro do ônibus quando ele passa e fala assim: “nossa, que trem bão pra mais tarde!” (sou de Minas Gerais). Falou duas vezes, mas eu não disse nada porque fiquei com medo dele me responder com grosseria, já que não falou direto pra mim. Isso me deixou muito triste, pois sempre apoio as meninas que reagem, fiquei pra baixo, afinal o comentário tinha conotação sexual. Porém, no outro dia, tive prova no primeiro horário e no segundo fui pro barzinho beber. Quando voltei pro ônibus, ele me disse: “Nossa Karen, que isso, que delícia!” (podem publicar meu nome sem problemas) Mas como eu tinha bebido, tomei coragem e respondi: “Ai, Fulano, deixa de ser ridículo, que saco de você, aff…” Gente, que orgulho de mim! Ele ficou murchinho… No outro dia nem me cumprimentou! Vocês nem imaginam como foi bom desabafar, tirar o fantasma daquele cara babaca que até excluí do face para não ler seus elogios.