‘aquelas ali são as sapatas com a xoxota cheia de sebo’ – 749

749 – “Vou contar um caso bem antigo que aconteceu comigo e com minha irmã, há quase dez anos.  Bem, eu e minha irmã temos dez anos de diferença, mas o gosto musical é parecido. Então ela sempre foi minha companhia para vários shows. A cantora Ana Carolina estava com a carreira deslanchando, e a prefeitura do Rio fazia alguns shows gratuitos na praia de Copacabana, e nesse dia foi o dela. Eu e minha irmã, estávamos caminhando para o palco e como estava lotado, andamos de mãos dadas para não nos perder. Um cara abordou minha irmã (abordou = leia-se: puxou-a pelo braço) e ela disse não. O cara aparentemente havia ido embora, entretanto ele voltou com um grupo de seis caras, apontando e gritando em nossa direção: “aquelas ali são as sapatas com a xoxota cheia de sebo, elas ali,ó, merecem apanhar!”. Torno a repetir que o local estava cheio, o que dificultava correr, então andamos o mais rápido que pudemos e paramos em um local que havia vários grupos e vendedores ambulantes, e então pedimos ajuda. O mesmo cara chegou a puxar novamente a minha irmã, mas um dos vendedores que estava ali o afastou. Nunca senti tanto medo na minha vida, até porque andar de mãos dadas com minha irmã sempre foi uma coisa extremamente normal. Faço isso com irmãs, amigas e só de pensar que apanharia de seis pessoas por um ato extremamente bobo, é de arrepiar!  Na hora contamos com o apoio de outras meninas,que afastaram de vez os caras. Voltamos para casa com elas.   A cantora tem um público predominante GLS e alguns caras vão a lugares destinado ao público em questão para “conquistar mulheres”. Esses caras acham que pegando alguma lésbica elas converteriam em heteras. Comparando, é o mesmo pensamento do estupro corretivo que ocorre nos países africanos. Quem comete esse ato acha que somente por ser mulher a pessoa pode sucumbir ao seus desejos. Imposição feita pela força física,ou psicológica.  Depois desse fato eu passei a apoiar as causas gays. Quem não sabe por que há alguns grupos sociais pedem igualdade, nunca passaram por uma situação como essa.  E um recado para quem compartilha a mentalidade desses babacas: violência NÃO muda a orientação sexual de ninguém. Não deixei de ser hétero e pela lógica, quem é gay nunca deixará de ser. Confesso que depois desse incidente fiquei mais seletiva com homens. Afinal, ficar com alguém que compactua com essa mentalidade é pior do que qualquer ressaca.  Acho que é esse meu relato, queria que ficasse mais curto mas não deu. Curti muito a iniciativa da página! “