Assédio por terceirizados na USP – 619

619 – Adiei pra escrever isso aqui, mas agora não dá pra fugir. Quantas vezes vocês receberam cantadas de trabalhadores, terceirizados ou não da USP? Eu estou completamente paranoica com isso ou é real? Moro no crusp e não saio muito de dentro da USP, São Paulo me deprime. Agora já não estou sossegada aqui dentro. Hoje eu liguei para a guarda universitária por causa de uns terceirizados que mexeram comigo quando eu voltava de bike do trampo, depois liguei de novo por causa de um pintor do crusp que mexeu comigo na IDA e na VOLTA do bandejão. A USP está cheia de homens munidos de vassouras e enxadas, é só comigo que eles mexem? Na segunda ligação o guarda já disse que precisava de uma vítima. Os pedreiros da reitoria também não perdem a oportunidade deles. Escrevi pra ouvidoria uma vez e recebi a seguinte resposta: “Quanto ao que você coloca, sobre os trabalhadores, será preciso você relatar o que ocorre, bem como nos informe aonde isso vem acontecendo, datas e horários, local e descrição das pessoas. A depender da possibilidade da identificação dos trabalhadores ou onde estão lotados, farei encaminhamento para o responsável. Aguardo seu retorno.” O que vocês acham? Também acontece com vocês? Vamos todas escrever para a ouvidoria, discordam? Ligariam para a guarda sempre que isso acontecesse?