“bom dia” pode ser tanto um assédio quanto um cumprimento – 852

852 – “Esse vai especialmente pro cara do “tenho medo de que um dia um simples ‘oi’ possa ser considerado agressão, suas paranóicas!!!!!”

Entrei num ônibus e fui me sentar no fundo. Havia um homem sentado bem naquele banco do meio. Quando cheguei perto, começou: o sujeito me olhou de cima a baixo repetidas vezes (parando em alguns pontos específicos…), quando me virei pra passar na frente dele e sentar no banco perto da janela vi que ele baixou o olhar para outro “ponto específico”. Me sentei.

Quando olho pro lado, o imbecil AINDA estava me encarando. Encarei de volta e falei, em tom sério e com cara de paisagem:

– Oi?

No mesmo segundo o cara subiu as sobrancelhas, olhou pra frente e ficou com aquela cara assustada de “por essa eu não esperava”, que todas nos Hollabackers conhecemos muito bem! Não pronunciou UMA palavra e não ficou mais me secando!

Aí, rapaz, me responda: Por que o cara reagiu assim diante de um “simples” ‘oi’?
É óbvio: porque ele, assim como nós, teve o mínimo de DISCERNIMENTO pra perceber a intenção do meu ‘oi’! Não foi um “ei, estou abrindo um diálogo”, mas sim um “tá olhando o que?!”.

É assim que um “bom dia” pode ser tanto um assédio quanto um cumprimento. Porque palavras trazem consigo intenções, que percebemos através do tom de voz, de expressões corporais e de contextos. É assim que seu “simples” ‘oi’ pode ser muito mais do que um cumprimento, assim como seu “simples” ‘bonita’ pode ser algo muito diferente de um elogio.”