Cantada 029

29 – “Um dia fui deixar uma amiga numa praça pra ela ir embora. Quando estava voltando sozinha pra casa, por volta das 17h, um rapaz de bicicleta me abordou do nada. De primeira ele só falou ‘que princesa!’, aí eu pensei que ele tivesse ido embora, mas quando olhei para trás vi que ele continuava em minha direção. Ele ficou me acompanhando e fazendo várias perguntas: ‘qual seu nome?’, ‘você mora por aqui?’, ‘quantos anos você tem?’ e eu apenas olhava reto e seguia em frente. Aí ele começou a me rodear com a bicicleta, brincando comigo como se eu fosse um bichinho que você o confunde circulando ao ser redor. Eu comecei a ficar desesperada, tentava correr mas ele bloqueava o caminho parando na minha frente. Até que ele me puxou pelo braço e gritou muito alto ‘vai responder nada não, porra?!’, foi tão próximo do meu rosto que eu pude sentir seu cuspe e o vento do seu grito… foi horrível! Me senti péssima, estava morrendo de medo e com receio de ir pra casa, pois assim ele saberia onde eu morava. enfim… até que passou um carro e o rapaz se afastou um pouco, me dando tempo pra correr. Consegui fugir desse louco por muita sorte.”  [Vera]