Cantada 049

Camila Andrade 49 – Era 2000 e eu estava no cinema com meus amigos; estávamos em muitas pessoas e ocupamos uma fileira inteira. Eu sentei na ponta e, do meu lado, sobrou uma cadeira.  Sentou um cara lá. Até aí, nada de estranho.  No meio do filme, comecei a notar uma movimentação estranha – minha bolsa, apoiada no meu colo, como que VIBRAVA. Na época, ninguém tinha celular, e pensei que o cara queria me roubar. Agarrei a bolsa com força.  O movimento continuou e eu comecei a sentir medo. Cada vez maior, cada vez pior. Nem olhava pro lado. Antes não tivesse olhado pro lado nunca: quando vi, o cara estava se masturbando. E olhando pra mim enquanto… Eu tinha 16 anos e nunca tinha visto um pênis na vida. Fico angustiada até hoje de lembrar do meu ABSOLUTO PAVOR na hora. Pensava: se esse cara me apontar uma arma e disser “Vem comigo.”, eu vou falar o quê?  Estávamos assistindo “Beleza Americana”. Não me perguntem como o filme termina, porque não sei. Meu medo era tamanho que não via nada na minha frente. Não tinha coragem de fugir. Expliquei a situação pra uma amiga do meu lado, mais ou menos, e ela viu o que ele estava fazendo. Não sei se ela sentiu o mesmo medo que eu, porque só comentou o quanto ele era nojento.  Pouco antes do fim do filme, o cara levantou e saiu. Eu fiquei olhando meu banco pra ver se não tava, sei lá, sujo… Não estava, ainda bem.  Ainda lembro de sair do cinema (era em um shopping), me olhar no espelho do banheiro e prestar muita atenção em mim: será que eu dei mole, será que facilitei, dei a entender que o cara podia se aproximar? Minha roupa tava indecente? Eu AINDA LEMBRO da minha cara no espelho.  Nunca mais consegui assistir “Beleza Americana”.