Cantada 073

73 – Caso A ) Eu tinha 12 anos e estava surfando na praia, semi deserta, sentei na areia em cima da prancha e um vendedor de coco aproveitando-se da pouca gente que ali estava exclamou: uns peitinhos assim eu adoraria chupar. Caso B ) Eu tinha 13 anos e usava um top desses tipo bustiê com seios minúsculos dentro e um shorts, sentada na porta da minha casa, em SP, sobre um desconhecido e solta: depois o tarado pega e ela ainda reclama. [Lia]
“Oi! Primeiro, eu gostaria de dizer que adorei a iniciativa dessa página, sério! Muito boa mesmo! A história que eu tenho pra contar, não é minha, mas da minha melhor amiga, que não tem Facebook e se chama Manuela. Foi algo que me revoltou, e aconteceu ano passado. A Manuela tinha 19 anos, e estava no convênio. Ela namorava o professor de história do cursinho pré-vestibular que ela frequentava, que é 10 anos mais velho que ela, e todos sabiam disso. Aconteceu de, eventualmente, uma professora da escola sair de licença maternidade, e um outro professor, um senhor que aparentava ter uns 60 anos, ter vindo substitui-la. Ele, lembrando da história do namoro dela com o professor, começou a segui-la pela escola, e fazer comentários como: “Que bundinha, hein!” ou “Porque transar com aquele rapaz? O que ele te dá em troca, desconto no cursinho?!”. Ofendendo-a mesmo, tratando-a como se ela só estivesse namorando com o professor do cursinho porque ele a dava algo, e agindo como se, pressionando-a, ela fosse simplesmente ceder e ter algo com ele. Eu percebia que ela estava desconfortável, mas não se sentia a vontade em comentar sobre isso com ninguém. Duas semanas depois, ela finalmente se cansou, contou o que estava acontecendo para o namorado, que já conhecia o cara, e depois denunciou o substituto para a direção do colégio. O diretor, demitiu o professor, mas não sem antes dizer que aquilo era culpa dela, por se envolver abertamente com um professor… Ele disse que ela deveria ser mais reservada, que deveria namorar só rapazes da idade dela, e não deveria ser tão promíscua (ela usava a saia do colégio, que é religioso, acima do joelho). Até hoje não sei com o que deveria ficar mais revoltada: Se com a forma como garotas, principalmente as que namoram caras mais velhos, são sempre vistas como interesseiras, ou se com a forma como a mulher acaba sempre sendo a culpada por tudo, inclusive pelo assédio sexual que sofreu!” R.