Cantada 088

88 –   A uns dois anos atras eu estava indo ao encontro de alguns amigos para iniciar a reunião do nosso coletivo, que era feita na praça central da cidade. Eu estava andando sozinha na avenida principal até chegar a praça e pra minha infelicidade, naquele dia a avenida estava meio vazia. Como dizem por aí, a mulher é atacada pelas roupas que veste e no meu caso eu não estava com uma roupa pra ser atacada, muito pelo contrario. No meio do caminho fui ouvindo um homem falando atras de mim quando fui virar pra ver o que era o cara já estava “colado” em mim falando coisas horriveis, do quanto ele queria agarrar e etc… Andou ao meu lado como se fosse um amigo, quase de mãos dadas comigo por uma quadra da avenida.. Não consegui reagir por medo do que ele pudesse fazer comigo, até pq nao tinha ngm por perto pra tentar me ajudar, andei todo aquele caminho ouvindo ele me tratar como um objeto. Quando cheguei a reunião, só consegui ficar mais em panico lembrando e contando para meus amigos como eu estava me sentindo um lixo.          Mais um caso terrivel “por ser mulher”.         Peguei um onibus no terminal pra voltar pra casa quando entra um cara (meio novinho) e senta ao meu lado mesmo todos os lugares do onibus vazios. Fiquei na minha, continuei lendo meu livro até chegar no ponto de casa. Pra minha tristeza, o fdp desceu atras de mim, foi me seguindo até em casa, fiquei com medo de entrar em casa e ele ver aonde eu morava, mais nao tinha outra opção. Me senti uma presa pra ele, enquanto ele se divertia com o meu desespero.