Cantada 124

124 – Oi, legal a iniciativa. Eu trabalho de tarde e volto à noite pra casa. Uma vez (eu tinha uns 26 anos), era umas 11 horas da noite, eu estava no ônibus voltando pra casa, quando um cara sentou ao meu lado. Ele tinha bebido, o que era notável pelo odor. Primeiro me perguntou as horas. Eu falei. Depois ele me perguntou pra onde eu ia. Não respondi mais, fiquei ignorando. Ele ficou tentando conversar comigo e eu ignorei a maior parte do tempo. Enquanto ele falava, eu telefonei para casa e pedi para uma pessoa da minha família esperar no ponto de ônibus. Depois que eu desliguei, no meio de todas as merdas que ele disse, começando com você é bonita (depois gostosa, etc) terminou com ele perguntando por quanto eu aceitaria transar com ele. Nesta hora eu fiquei realmente nervosa e mandei ele se f*&%# e saí do lugar, ficando em pé. Ele ficou indignadíssimo, gritando no ônibus como eu poderia insultá-lo. Quando chegou no meu ponto, dei sinal, saí, mas ele veio atrás. A pessoa da minha família que estava no ônibus perguntou o que aconteceu, eu contei e falei que o cara estava me seguindo. Ficamos então, parados, em frente a uma pizzaria, esperando o imbecil ir embora, mas ele também parou. A pessoa que me acompanhava falou pro cara ir embora. Ele ficou irritado novamente começou a nos insultar e tentou empurrar a pessoa que estava comigo. Mas, como estava bêbado, a pessoa deu um soco na cara do idiota e aí o pessoal da pizzaria “expulsou” o cara do lugar. Ele foi embora e, então, pudemos voltar pra casa juntos. Quero dizer, desta vez eu tive sorte de poder ter ajuda mas o cara realmente me tirou do sério, não sei o que aconteceria se eu estivesse sozinha. Só sei que há tempos ando com um spray de pimenta e enquanto estávamos na porta da pizzaria, eu peguei o spray pra jogar no cara. Só não o fiz no ônibus porque o negócio acerta outras pessoas e arde e eu não queria afetar nos outros. Além disso, o fato de ter outras pessoas te deixa um pouco mais tranquilo. Mas quando desci no ponto e vi que o cara estava atrás de mim, eu fiquei bastante nervosa. Enfim, espero que este relato e os outros relatos sirvam pra conscientizar as pessoas. C.