Cantada 136

136 –         O meu caso não é de cantada, mas precisava desabafar…          Depois que meus pais se separaram eu e minha mão fomos morar com a minha avó e meu tio. Eu devia ter uns 12, 13 anos quando nos mudamos para lá e ficava a manhã toda no meu quarto, porque estudava à tarde e só saia de casa umas 11 horas pra ir pra aula.         Um dia, quando fui me arrumar para ir para a escola, flagrei meu tio me espiando tomar banho… Eu só vi de relance porque a hora que olhei pra janelinha do banheiro ele correu, mas a imagem do olho dele ficou registrada na minha cabeça… Quando sai do banheiro ele estava no quintal, fumando, como se nada tivesse acontecido…. Eu nunca mais consegui ser a mesma dentro de casa. Não usava mais shorts, não frequentava as áreas comuns da casa quando ele estava lá… Eu me sentia suja, nojenta… Como se qualquer roupa que usasse, ou só a minha presença fosse um incentivo, uma provocação… Eu contei pra minha mãe e alguns familiares mas não tinha nada que podíamos fazer porque nós não tínhamos outro lugar pra ficar…. Certa vez, quando viajei, aconteceu o mesmo com a minha mãe… Ficamos muito abaladas… Era meu tio, o próprio irmão dela… Tinha várias fotos dele nos meus aniversários quando bebê, comigo no colo… Comecei a sentir um misto de ódio, revolta e uma sensação de impotência que me sufocava!         Foram 5 anos assim, nos escondendo dentro de casa. Ele bebia muito e nós duas tínhamos medo de ficar sozinha com ele, ou de passar perto… Hoje eu tenho 19 anos, moro em outra cidade por causa da faculdade mas ainda me sinto mal quando tenho que vê-lo em reuniões de família ou nas férias… Tenho nojo da presença dele, cheguei a desejar que ele morresse e tenho medo pela minha mãe que continua naquela casa…  Bruna