Cantada 138

138 – Cara, já que tá rolando contar casos de assédio fora da rua, preciso compartilhar esse caso também (que me marcou INTENSAMENTE). Eu, meu pai e minha irmã, na época eu deveria ter uns nove ou dez anos e minha irmã quatro ou cinco, ficamos na casa de praia de um casal amigo do meu pai. Quando a gente tava assistindo TV, o cachorro deles, um poodle, ficava nos rodeando (e eu tinha MUITO medo de cachorro quando era menor). Foi quando esse amigo do meu pai me olhou e disse: “Se tu não quer fazer carinho no Tobi, faz carinho aqui no tio”. Na FRENTE da porra o meu pai, que é todo metido a machão protetor (mas não fez NADA, só riu dizendo que eu era “cagona e tinha medo de bicho”). Um pouco mais tarde a gente tava vendo a novela e ele passou a mão na minha perna e sorriu pra mim. Até hoje achei que isso era coisa da minha cabeça, deveria ter sido na inocência e eu que tornei isso muito maior, mas lendo os relatos das meninas aqui eu finalmente entendi que não foi culpa minha ter me sentido suja e invadida. Porque NUNCA é nossa culpa.  B.