Cantada 145

145 – Tenho várias histórias, como muitas mulheres, mas teve uma que me marcou muito. Eu tinha 13 anos. Era uma noite de sábado e estava chovendo muito. Fui com duas amigas a uma lanchonete perto de uma praça e, quando acabamos de comer, decidimos a ir num bar, que ficava há sete quarteirões de distância. O caminho a ser percorrido costumava ter grande movimento de carros e de pessoas, mas, naquela noite, estava tudo vazio. Quando começamos a descer a principal avenida da cidade, sob fraco chuvisco, um carro passou e vários homens gritaram lá de dentro. Nos assustamos, mas o carro foi embora e ficamos tranquilas. Que engano! O carro só deu a volta no quarteirão e voltou a passar por nós, bem devagar. Buzinavam e gritavam para nós. Na terceira vez que isso aconteceu, decidimos entrar no primeiro bar/lanchonete possível e ligar pra polícia. Entramos numa lanchonete com algum movimento, mas eles estacionaram o carro e sentaram na lanchonete. Pediram cerveja. Eu e minhas amigas nos trancamos no banheiro. Tentamos ligar para varios amigos, para ver se tinha alguém por perto para nos acompanhar no fim do percurso. Mas o tempo passavam, já era dez da noite e o desespero tomava conta de nós. Decidimos, por fim, ligar para a polícia. Os policiais não acreditaram(oi?), mesmo com as minhas amigas chorando. Deram algumas instruções como “não corram, não olhem para trás”, mas o medo obviamente era gigante. Saímos de lá depois de bastante tempo e chegamos ao bar. Chorávamos muito. Acontece que depois de poucos meses, comecei a fazer jejum, vomitar e tomar diversos remédios para emagrecer. Queria ficar feia, queria ter corpo de homem, queria perder minha bunda e meu peito. Estou me recuperando de anorexia. Estou com 16 anos e, desde esse episódio, vivo querendo perder o corpo, ser homem. Será que homens NOJENTOS podem sair por aí assediando IGNORANDO o dano psicológico que podem estar causando? Grande parte das meninas que sofrem abuso sexual acabam tendo distúrbios alimentares, depressão e ansiedade(dados não oficiais, que obtive em conversar com garotas que passaram por isso). Isso é ridículo.