Cantada 168

168 – Este último caso, me fez lembrar de algo que me aconteceu quando eu tinha uns 13 anos. Eu e algumas amigas da escola fomos visitar uma professora que morava perto do colégio. No meio do caminho, procurando pela residência dela, nos deparamos com um homem encostado em um muro “pedindo informações”. E puxou assunto com minha colega enquanto eu o observava. Este homem estava na verdade, mostrando o pênis e visivelmente excitado, para provavelmente, tentar violentar uma de nós. Sussurei no ouvido de minha amiga e disse: “Patrícia, preste atenção neste homem, vamos embora e botar para correr…” Na mesma hora, ela percebeu, me puxou pelo braço e saímos dali correndo. Hoje fico me perguntando: e se esse homem estivesse portando uma arma? Fico imaginando a quantidade de gente doente, anônima, desconhecida que faz isso ou pior, chegando a colocar em prática a pedofilia.  Rô