Cantada 180

180 – “Quando eu tinha 13 anos, comecei a fazer aulas particulares de guitarra… Estava na fase da rebelde sem causa, e era também muito inocente, desabafando todos os meus inconformismos com o meu professor que tinha por volta de 40 anos… Calcado nessa confiança ele começou a falar que tinha muito medo da minha inocência e teria que me mostrar filmes pornográficos para que eu não visse na rua. E eu acreditava nele, ate que um dia muito triste com os meus pais, comecei a chorar na aula, ele pediu que eu me deitasse, e que com a minha mão mesmo, ficasse passando a nos meus seios. Após isso, contei para uma amiga que era muito mais esperta e me alertou das intenções dele… Então eu desisti da aula de guitarra, mas não contei o porque para os meus pais… Mas esse assunto foi algo que me incomodou muito durante a infância.”
A educação e as ideias que matam “O machista tem o direito de ser machista? Talvez. O machista tem o direito de levar o discurso machista para a sala de aula? Não! As ideias homofóbicas, machistas, racistas são fomentadas dentro das casas e das escolas. Nós defensoras dos direitos humanos devemos nos colocar neste embate para sim, gerar a mudança. O machismo viola os direitos das mulheres e meninas nas mais diversas esferas e isso não pode ser passivamente aceito.”