Cantada 204

204 – “Oi! Eu gostaria de contar dois casos que aconteceram comigo. Não são casos de cantada, são casos de invasão de espaço simples mas que imagino que irritam muitas mulheres. Uma vez, eu estava em uma festa da universidade. Eram mais ou menos 4h da manhã, hora em que os homens, por estarem mais bêbados, acham que têm mais liberdade para fazer coisas idiotas com as mulheres da festa. Eu estava procurando minha amiga para ir embora e por isso estava um pouco nervosa, quando sinto alguém apertando minha bunda. Nessa hora eu fiquei vermelha, morrendo de raiva, e fui atrás dos dois idiotas que passaram rindo. Eu puxei um pelo ombro, olhei fundo nos olhos dele, apontei o dedo e gritei “você NUNCA MAIS faz isso, entendeu?!”. Eu sou bem alta e estava com o rosto vermelho, e acho que isso acabou intimidando um pouco o cara, que me olhou com aquela cara estúpida de bêbado. Ele não fez nada. Só lembro que virei as costas e fui embora. O outro caso foi também em uma festa da universidade. Eu estava dançando tranquilamente, quando um cara começou a chegar perto. Ele começou a dançar na minha frente, e eu fiquei desviando. Até que ele chegou bem perto, me pegou pela cintura e começou a tentar me beijar. Fiquei desviando o rosto, até que empurrei ele e gritei “NÃO!”. Ele não disse nada; só me olhou assustado e saiu de perto. Fico impressionada com como os homens acham que têm liberdade sobre o corpo das mulheres.”