Cantada 208

208 –         “Talvez isso não seja uma cantada, mas vendo alguns relatos da página me sinto a vontade pra falar:          Estive numa festa ainda essa semana com minha namorada, festa de empresa, comemorações de fim de ano e mil pessoas que eu não conhecia.         Estávamos num grupo grande e conseguimos ocupar uma mesa sobrando apenas dois lugares. Uma colega de trabalho da minha parceira e seu namorado se sentaram conosco e foram bem recebidos.         Durante a festa esse casal começou a fazer comentários sobre mim e algumas outras moças que estavam sentados na mesa.         “Só tem gente de peso aqui”, “olha a gorda caipira”, “quase uma inclusão social”…         Num primeiro momento eles comentavam cochichando e só eu que estava sentada mais perto podia ouvir.         Pra evitar brigas, e me iludindo imaginando que os comentários não fossem pra mim, fingi não ter ouvido.         Depois de algum tempo os comentários começaram a se voltar exclusivamente pra mim e de maneira mais descarada: “Olha a gordinha ali, nem o preto emagrece”, “Nem cinta tá segurando os peitos caídos”… e daí pra baixo…         Não gosto de lembrar do desfecho desse dia, por que não foi nada agradável.         Mas eu, que sempre lutei contra os estereótipos, a definição de tipo físico ideal, naquele dia me vi tão fragilizada, e sequer reagi.         Não consigo contar isso pra mais ninguém.”