Cantada 226

226 – “Gostaria de contar uma história de quando eu tinha dez anos. Tinha acabado de me mudar para a cidade onde moro até agora e minha mãe conseguiu uma vaga num colégio municipal que era UMA quadra, em linha reta, da minha casa na época.  Um dia eu estava voltando para casa sozinha (afinal, era apenas uma quadra) e tinha um carro estacionado do lado da calçada onde eu iria passar. Quando me aproximei do carro, um cara bem mais velho que eu perguntou onde eu estudava, qual séries tinha no colégio e qual era a minha. Na minha inocência, parei pra responder para ele que estava na quarta série e que esse era o último ano ofertado naquele colégio.  Ai o cara vira pra mim e pergunta “você quer ver o piu piu do Gugu?”. Confesso que não entendi nada, mas depois reparei que o cara estava esse tempo todo se masturbando, dentro de uma caminhonete vermelha com um adesivo do piupiu na parte traseira.  Na hora que eu vi isso, saí correndo para casa, que estava uns vinte metros de lá, contei para meu irmão morrendo de vergonha, como se a culpada daquilo tudo fosse eu, e pedi para ele não contar para meu pai. Como era algo sério, ele contou, e meus pais no outro dia foram no colégio falar com a coordenação sobre o ocorrido. Lógico que não deu em nada, o cara não estava mais lá na hora que meus pais ficaram sabendo. O pior foi ter que ouvir que o guarda municipal de lá só era responsável pelas coisas que aconteciam dentro do colégio. Depois disso, eu ainda vi a caminhonete vermelha várias vezes naquele quarteirão maldito, e sempre saía correndo quando ela chegava perto. É difícil contar isso, ainda mais por que eu era muito nova, nem tinha menstruado, encorpado, etc, quando aconteceu e pode ser que não acreditem, mas é verdade.  Parabéns pela página, achei hoje e não consegui parar de ler desde então.”   Bárbara Almeida