Cantada 227

227 – “Sou transgênera (um homem preso em corpo de mulher), mas mesmo assim, escolhi amar e viver com meu corpo de mulher. Porem, eu ao mesmo tempo ODEIO ser mulher por causa da maioria dos homens. Devo ter nascido com algum carma terrível, pois sempre tentam me agarrar, molestar, estuprar, quando não conseguem de alguma forma. Geralmente consigo me desvencilhar, principalmente se o cara for agressivo. Mas quando o sujeito tem a minha confiança e faz isso comigo… Foi o que aconteceu por ultimo, e eu realmente não queria e não consegui me desvencilhar da situação. Bem, eu não consegui nem denuncia-lo porque eu ainda acho que a grande culpada sou eu, eu não deveria estar sozinha no estúdio de tatuagem dele (alias, não era p/ estar), e o pior, que uma mulher que me apresentou a ele, e se dizia minha amiga, era p/ estar lá comigo e simplesmente não apareceu.  Apos ter começado a pintar a tatuagem, ele me agarrou e acabei cedendo por medo de ele usar de violência e ninguém me ouviria nem gritar, graças ao Heavy Metal tocando no ultimo volume e por estar TUDO fechado.  Para piorar a situação, não posso nem olhar para minhas costas. A tatuagem em NADA se parece com o desenho que eu queria, a não ser pelo formato (asas) e a cor também está errada. O cara tem nome na cidade que moro, pertenceu ao estúdio mais famoso daqui e ate o ex colega dele de trabalho disse que a tatuagem está horrível ( claro, eu não disse a ele quem a fez). E a tal “amiga” no final de tudo, ainda disse que eu deveria ter um relacionamento com ele, que ele gosta de mim e que a “química” entre nos é muito forte. QUE? Eu não senti química NENHUMA, e não é porque eu gosto de Rock que eu tenho de aturar um cara que não me agrada em nada, só porque ele supostamente, curte o mesmo estilo que eu. ( Eu na verdade sou Gótica e ODEIO Metal). Descobri assim que ela não compareceu propositalmente, sabe se lá Deus se até não combinou algo com ele. Me afastei dela e ele NUNCA MAIS me viu. E to pensando seriamente em retirar essa tatuagem. Alem de ter ficado grotesca, toda vez que olhava a parte pintada, eu metia as unhas inconscientemente tentando arrancar minha própria pele. Levei meses assim. cheguei a cortar minhas unhas e enfaixar minhas mãos para parar com isso. Policia? Não ia adiantar, já tentei ir em outros casos de assedio e nem me deram atenção. É assim na minha cidade, policia só aparece se o som estiver alto ou se tiver um homicídio. Mulher sofrendo violência por parte de marido, amigo, namorado, conhecido ou não? Não é absolutamente nada para eles. E eu me sinto impotente diante disso. Tive de morrer e renascer das cinzas, sacudi-las e simplesmente seguir em frente como se nada tivesse acontecido. Alguns amigos meus sabem da historia, todos ficaram chocados e aplaudiram a minha atitude de me afastar da garota ( que eles já estavam ha tempos me dizendo que só me fazia mal, mas parece que só vemos quando acontece o pior.) É meninas, nem fazer uma tatuagem a gente parece ter direito mais…”