Cantada 239

239 – “é mais um desabafo que um relato em si… porém acredito que preciso de pessoas que se sintam da mesma forma que eu pra saber como lidar com isso.   Além de todos os abusos que sofremos diariamente em todos os lugares que vamos, uma coisa que tem me incomodado muito é notar o tamanho do “trauma” que ficou em mim.  Hoje em dia, pra mim, todos os homens são culpados até que se prove o contrário.  Eu tento me policiar, evitar fazer pré-julgamentos, mas antes de perceber já estou com os braços cruzados a frente do corpo e de feição fechada ao menor sinal de aproximação de algum homem. As vezes é só um estranho na rua, que sequer notou minha cabeça… Mas o meu instinto, meu subconsciente que foi treinado durante anos que isso é uma ameaça já me faz ficar na defensiva.  Eu estou o tempo todo achando que serei cantada, ou que irão fazer algo contra a minha pessoa. Enquanto por um lado me sinto meio “egocêntrica” de achar que todos os homens do mundo irão dar em cima de mim, por outro percebo que isso é fruto de anos sendo abusada e ficar sabendo de abusos.  Não preciso nem dizer que não consigo me aproximar de ninguém, ou confiar o suficiente para ter um relacionamento. Estou sempre esperando por alguma traição ou sinal de falta de respeito por parte de qualquer homem.  “hum, ele se mostra interessado em mim? será que isso não é só pretexto pra depois de humilhar de alguma maneira pros meus amigos?” é um exemplo de pensamento que cruza minha mente diariamente.  Sei que deveria acreditar mais, que deveria ter fé na humanidade, que não deveria julgar a todos dessa maneira… Mas simplesmente não sei o que fazer pra mudar um comportamento tão enraizado em mim.  Nunca sofri nenhum abuso físico grave, como estupro ou agressão… Mas sempre fui considerada apenas um “par de peitos grandes” ambulante pela maioria dos caras. E isso, com o passar do tempo machuca e marca a gente.  Eu quero poder me orgulhar do meu corpo, ter liberdade sexual e realmente “stand up for myself”. Mas acho isso extremamente difícil quando se vive constantemente com medo e desconfiada.  É extremamente frustrante notar o quanto minha liberdade é tolhida não somente por aqueles que assediam constantemente, mas pelo medo e insegurança que anos de atitudes como essas ao meu redor causaram em mim.”