Cantada 247

247 – “Primeiro dia do ano. Peguei o ônibus para ir para casa. O cobrador simpático desejou feliz ano novo, e desejei igualmente. Sentei no banco que fica bem atrás do cobrador, era um dos poucos livres. Passei a observar o itinerário pela janela. Porém senti um olhar em cima de mim. Olhei para o cobrador e vi que me encarava. Fiz umas duas caras feias pra ele, franzindo a sobrancelha, como que demonstrando que não estava gostando. Ele continuou a encarar com insistência. Comecei a me sentir muito incomodada, e cogitei que era melhor mudar de lugar pra me livrar daquele olhar inconveniente. Mas de repente tive uma ação mais rápida que meus pensamentos, olhei pra ele e disse: “moço, pare de me olhar assim”. Ele arregalou os olhos assustado e virou o rosto pro outro lado. Eu me surpreendi com a minha reação, fiquei pensando que ele podia não gostar e que a essas alturas devia estar bem constrangido, já que outras pessoas ouviram. Também fiquei assustada, mas ao mesmo tempo, com um orgulho enorme. É uma atitude tão pequena, mas tão grande pra mim. Só quem passa a vida sofrendo assédio vai entender a força desse gesto. E agora me sinto forte de uma maneira nova. Eu consegui reagir do modo como achava correto, mas nunca tive coragem. Quero agradecer a todos que mandam depoimentos a essa página, pois vocês me incentivaram. Meu imenso muito obrigada.  Primeiro dia de 2013. E eu desejo que neste ano todas aqui tenham coragem de dar um basta no assédio e tomar uma atitude. Aos poucos isso nos fortalecerá, e iremos mudar a cultura do nosso país.”