Cantada 255

255 – “Resolvi contar o meu caso; foram 2 assediadores um mais estranho que o outro. O primeiro eu estava na esquina parada esperando o meu trabalho abrir as portas, de camisa social e saia até o joelho… ele parou o carro desceu veio até mim. Eu falei que estava noiva,  ele insistiu, me deu seu telefone num papel dizendo que eu era linda,maravilhosa, uma gatinha, que despertei o desejo dele, que ele me queria, que já havia me visto antes e que tinha que me ter de qualquer jeito. Insistiu, eu virei de costas pra ele e o ignorei. Ele se foi dizendo que não ia desistir joguei o telefone no chão e fui trabalhar. Uma semana depois ele me encontrou indo para o mercado a pé e me seguiu por 3 quadras. Veio até mim gritando que eu havia mentido para ele que era noiva pois não usava aliança, eu repeti que era noiva; ele me deu outro papel que eu joguei no chão dessa vez na frente dele e disse que não queria nada com ele, que era noiva. Ele me seguiu por mais uma quadra até eu pegar o celular e ligar chorando para o meu noivo que veio me resgatar… O segundo foi pior eu subi a pé 3 quadras sozinha para comprar um sanduíche. Estava feliz, grávida de quase 4 meses, radiante com um vestidinho cor de rosa de lã, quando o carro que me seguia há 2 quadras parou e dele desceu um homem. Veio até mim, tentei desviar mas ele não deixou e me parou, eu disse que era casada e estava gravida, mostrei a barriga. Ele disse que nada daquilo importava para ele, que ele me queria há muito tempo, que não era a primeira vez que ele me seguia; me deu detalhes e era verdade, eu me lembrava daquele carro, como o outro disse que precisava me ter. Como se eu fosse uma coisa. Eu com medo calmamente expliquei que amava muito meu marido, que iriamos ter um bebê e que não estava nos meus planos de vida traí-lo! O carro dele era caro e ele era advogado, ele me ofereceu dinheiro e presentes em uma ultima tentativa de me comprar, sabendo que eu era “pobre” deduzindo que eu iria ceder. Expliquei tudo de novo; ele perdeu a paciência e foi para o carro falando novamente que tinha dinheiro. Ele só foi embora quando eu usei a estrategia ‘o problema não é vc sou eu’. Eu disse, ‘você é maravilhoso, qualquer mulher adoraria, mas eu INFELIZMENTE SOU CASADA E ESTOU GRAVIDA então não dá mais!’ Com o ego inflado ele se foi; sinceramente foi o que mais me assustou, afinal ele estava me espiando a muito tempo…”