Cantada 272

272 – “Todos os dias vou para a academia do meu bairro caminhando, e fica na outra rua da minha casa e mesmo assim me sinto mal todos os dias com as cantadas e olhares que me lançam na rua. Na semana passada mesmo um carro me viu sozinha voltando por volta das 21hrs, e diminuiu a velocidade e foi me acompanhando e dizendo palavras “ô que gostosa”, “tá difícil, hein” e fui me apavorando.. Fingi que não era comigo e apertei o passo, quando entrei na porta do meu prédio ele gritou “sua puta” e acelerou. Dois dias depois, um cara de moto resolveu repetir a situação. Nesta semana meu pai resolveu me acompanhar até a porta da academia, pois estava com dinheiro e teria que dar o restante para ele. E fui contando os casos, e ele me disse: “Mas todo homem olha..” E expliquei o quanto me sentia incomodada.. E 2 minutos depois passou um cara do meu lado entortando a cabeça para me olhar, mesmo eu estando com meu pai. Me apavorei pois o mesmo ficou me olhando na academia o tempo inteiro, e no dia seguinte também, decidi até trocar de horário.  Queria conseguir ser corajosa e não me sentir inibida ou com medo nessas situações. Mas acho que por minha mãe ter sido vítima de estupro com 12 anos e sendo um homem que mexia com ela na rua, eu fico com mais medo ainda, sem saber o que fazer!”