Cantada 281

281 – “Era de manhã, umas 8:30. Eu, minha irmã e minha mãe estávamos andando por uma avenida, todas preocupadas e com o passo apressado porque estávamos atrasadas pro nosso compromisso. Andávamos uma do lado da outra quando um cara parou do nosso lado e começou a balbuciar algo como “Essa é bonita, mas aquela ali blá *babaquice* blá” estávamos andando rápido então não vi a cara do sujeito. Não aguentei, comecei a dizer “blá blá blá” enquanto ele falava (pra abafar, uma vez que minha mãe e irmã não eram obrigadas à aguentar aquilo) e mesmo muito rápido virei e gritei um “vai se f*** babaca”, estávamos passando do lado de uma oficina e na hora que voltei para olhar pra frente, percebi que tinha um cara lá dentro rindo da situação, foi tudo extremamente rápido. O interessante foi que depois de eu dizer aquilo,comecei à falar (ainda nervosa) com a minha mãe que nós não eramos obrigadas à aguentar aquilo e que o certo era sim reagir se fosse possível. Ela me veio com um “até que acontece alguma coisa, o cara vem pra cima, e aí?”, pois é! E aí? No caso em questão eramos 3, eu já sei me defender, minha irmã é grande e minha mãe tem mais músculos que eu, seriamos capazes de nos defender de um homem… Mas se minha mãe estivesse sozinha? Ela obviamente não vai revidar, e quando eu revidar e houver algum tipo de resposta agressiva? Não é certo carregarmos toda essa duvida e toda essa opressão! Fiquei muito orgulhosa de mim mesma, e devo MUITO à essa página. Quando parei pra pensar sobre o caso percebi uma coisa, três gerações diferentes sofrendo o mesmo tipo de abuso ao mesmo tempo.Eu com 16, minha irmã com 20 e minha mãe com 40. Será que eles não percebem o quão constrangedor é tudo isso? Ouvir sua mãe ser abusada assim,sem mais nem menos! Lembrei também que todo dia elas devem passar por isso assim como eu passo, eu ainda tenho alguma coragem de revidar, minha irmã talvez, mas e minha mãe que com medo aceita tudo depois de um dia de trabalho,voltando pra casa cansada e com as preocupações que uma mãe tem? Fico triste, quero que tudo isso acabe. Sofro esse tipo de abuso desde que me lembro de andar na rua sozinha. Sabe, eu só estou cansada.  Cansada de ser cantada sem rima,  Cantada sem amor, cantada sem pudor,  Abusada por palavras.  Cansada de olhares, Cansada dos lugares que não posso ir  Sem ser notada. Cantada por quem não encanta, Cantada por quem não se manca que incomoda. Conto os dias pra isso acabar Por isso luto Não fique mud@! -Fiz esse poema ano passado,nada mudou.  Obrigada à pagina e obrigada a todas que divulgam seus casos aqui, eles estão me ajudando a criar argumentos e a perceber que na verdade eu não sou a unica e nunca serei. Mulheres, meninas, moç@s, junt@s somos muito maiores! E estou ensinando isso a minha família.  Grite! Feminize-se.”  Juliana F. G.