Cantada 299

299 –  “Oi, bom dia! Estou mandando pra vocês o meu caso  Parabéns pelo trabalho que vocês realizam. É realmente muito importante.  Aprendi muito cedo que homens não entendem um “não” acompanhado de um sorrisinho. Aprendi que precisava ser grossa para conseguir me defender. Aos 17 anos, eu já estava muito consciente disso, quando aconteceu o fato que se segue. Eu estava em um show, acompanhada de duas amigas. Andávamos entre a multidão quando um engraçadinho se achou no direito de passar a mão na minha bunda. Eu usava uma blusa fechada e uma saia longa, descrevo a roupa, porque, segundo eles, faz diferença. Quando senti a mão, minha reação foi inconsciente. Me virei e bati meu cotovelo com toda força que tinha nas costas dele. Não parei pra ver se tinha quebrado algum osso ou feito algum outro dano do querido garoto. Mas certamente temos um “homem” a menos passando a mão na bunda de pessoas por aí.  Espero que o meu relato possa ajudar alguém.”