Cantada 301

301 –  “Meu nome é Moema Carvalho e lembro como se tivesse sido hoje a primeira “cantada” que recebi na vida.  Eu tinha sete anos (sim, sete anos) e estava andando na orla com a minha família. Estava emburrada por algum motivo e fiquei alguns passos pra trás. Passei por um menino que falou “alguma coisa, blablablá, sua gostosa.”  GENTE, EU TINHA SETE ANOS! Nesse dia eu chorei muito e morri de vergonha de contar para os meus pais. Passei mal, vomitei, fiquei com dor de barriga. Lembro do meu pai me perguntando “filha, pode me contar, o que quer que tenha acontecido você pode me contar, deixa eu te ajudar” mas na minha cabeça eu achava que eu tinha errado, que eu estava sendo punida por ficar emburrada. Nunca mais esqueci disso. Depois desse episódio eu passei a andar apavorada e com roupas mais largas. Hoje, quando alguém pergunta por que eu brigo tanto pelo direito das mulheres e defendo o feminismo com unhas e dentes eu respondo que só de pensar que a minha sobrinha pode passar por uma situação como essa eu fico transtornada de ódio. Luto para que ela não passe por isso, nem ela e nem nenhuma mulher. Hoje isso passou e eu aprendi a responder: xingando muito e correndo risco muitas vezes, mas, serião, eu prefiro morrer lutando.”