Cantada 320

320 –   “Hoje me senti realizada! No trajeto do colégio para casa, eu sempre tenho que passar por um estúdio fotográfico (não há como desviar). Desde março de 2012, funcionários desse estúdio que ficam na porta começaram a me assediar: “Nossa, linda”, “Delícia”, “Oi princesa” e esse tipo de coisa.  Já tinha tentado de tudo: ignorar, xingar, nada funcionava, o assédio nunca parava. No máximo, ouvia “você fica linda nervosinha!” Até que ontem resolvi ter uma atitude diferente. Quando escutei o primeiro “nossa” parei imediatamente, olhei bem nos olhos dos três funcionários e disse: “Vocês vão parar com isso ou eu vou ter que reclamar com o chefe de vocês?” “Ué moça, estou elogiando.” “Caso você não tenha percebido, eu nunca gostei desse tipo de ‘elogio’. Não é ‘elogio’, é falta de respeito, é assédio.” – disse, enquanto eles desviavam o olhar, sem reação, e tentavam esboçar sorrisos falsos. “Tá bom.” Como de costume, hoje, não imaginei que eles fossem me levar a sério. Ia passando pelo estúdio, acumulando paciência pra ouvir mais assédios, talvez até mais desrespeitosos, comecei a elaborar uma resposta na cabeça, quando fiquei surpresa: NEM UM PIO! Não me contive: saí gritando e pulando de alegria no meio da rua. Espero que esse caso sirva de inspiração para as meninas que respondem as cantadas e recebem ofensas em troca: NÃO DESISTAM! E tem mais: não adianta responder sem olhar nos olhos. É preciso intimidar. Juntas, podemos acabar com esse costume arcaico e machista! ”  Ana Clara Dafico