Cantada 325

325 – “Hoje vivi uma situação que poderia ter me deixado chateada, mas eu consegui transformar em uma comédia e humilhação pro cara. Lá estava eu indo saindo da academia, a caminho de um restaurante próximo para encontrar meu pai. Vou ressaltar a roupa que eu usava né, afinal tem gente que acha que é tudo culpa da roupa. Camisetão GG, bermuda, tênis, cabelo preso, sem maquiagem, bem nem aí mesmo. Pra ir nesse tal restaurante, preciso sempre passar por uma rua, movimentada, com um ponto de taxi. Na hora que eu passei um senhor de uns 60 anos (idade não faz ninguém melhor infelizmente) começou a me falar coisas horrorosas. ”Ô gostosa, ô essa daí na minha cama, ô princesa, vamo lá em casa, vou te dar um trato gostoso!” Sinceramente não esperava ouvir isso de alguém nessa faixa etária, mas enfim. Eu pensei em passar reto e ficar quieta, maaaaaaas o ‘Cantada de rua’ passou pela minha cabeça NA HORA. Junto com o ”digníssimo” senhor, tinha mais uns 3 taxistas, todos dando aquelas risadinhas NOJENTAS que só a gente entende. Passei o ponto, ele continuou falando. Aí eu virei e disse: ”Pois não? Vamos lá na tua casa então, e aí, qual vai ser?” O cara ficou pasmo, apenas disse: ”Era brincadeira moça, não era nada não moça”. Aí eu disse: ”Tá com medo agora??? Fala sério, vão a merda!”. E a partir desse ponto calaram a boca e ficaram visivelmente envergonhados. Bem, eu poderia correr o risco do cara me convidar realmente, mas eu sempre soube que esses caras que falam esse tipo de coisa, já falam com a certeza de que a mulher vai passar reto, sem falar nada. É como um ”jogo de poder” pra eles. Sinceramente? Adorei ver a cara de humilhação dele, bem feito, esse tava precisando!”