Cantada 376

376 – “Quero compartilhar um caso “bobo” – perto de outros que lemos aqui ou que eu mesma já passei – mas que eu consegui ter uma reação que me deixou orgulhosa!  Estava andando pelo calçadão da XV (em Curitiba), movimentado como sempre, quando um homem que estava vindo em direção a mim, ao passar do meu lado, começa a falar umas coisas que eu nem entendi direito, mas era tipo “nossss, que gostosa, hein, gatinha, blablabla”. Eu percebi que ele não quis chamar muita atenção, falou só pra eu escutar mesmo. Ele veio me secando, falou isso quando passou perto e continuou andando. Mal ele terminou de falar, eu parei de andar, virei pra ele e falei, em voz alta: “OI? QUE QUE FOI? EU TE CONHEÇO POR ACASO?”, ele ficou meio espantado e tentou desconversar, deu uma risadinha e falou “Oi! tudo bem?”, tentando me debochar, e continuou andando. Nisso, eu que fui atrás dele! Não cheguei a seguir, porque foi tudo bem rápido, mas dei alguns passos em direção a ele, que tava indo embora. Respondi, sem gritar, mas pra todo mundo ouvir: “NÃO, tudo bem não, CAI FORA LOGO E ME DEIXA EM PAZ”. Depois dessa, foi ele quem abaixou a cabeça e apertou o passo. Engraçado que ninguém por perto me chamou de louca, escandalosa, nem nada. Só olharam mesmo, mas garanto que aquele homem sentiu muito mais vergonha do que eu. E quem saiu dando risada do tarado constrangido fui eu. Vitória! :)   Amanda Tintori