Cantada 385

385 – “Olá, meu nome é Suelen Regina, acompanho os relatos aqui todos os dias, e algum tempo já não mexiam comigo na rua. Hoje, deixei meu filho com uma amiga que está passando uns dias aqui em casa e fui a padaria de manhã. SIM, eu estava de roupa curta, um calção curto, eu gosto de roupas curtas, me sinto mais confortável, uma “baby look” (é assim que escreve?) de time, mas nenhum dos dois eram excessivamente colados ao corpo e mesmo que fossem, NÃO ERA, NÃO É UM CONVITE. Descabelada, com os olhos sujos de ramela, andando normalmente, olhando pra frente. Na volta da padaria, passa um caminhão desses que carregam aquelas caçambas de entulho, e o motorista grita: “Oi linda!” eu fechei a cara, olhei pra ele, pensei “Se ele reparar que não gostei vai ficar, no minímo, sem jeito.” Até parece, me seu um sorrisinho nojento, e me mandou um beijo (!!!!). Ele estava no seu direito de mexer com a gostosa que passa se oferecendo, claro (NOT). “Idiota” eu pensei, mostrei o dedo do meio, virei a cara e continuei andando. O pior mesmo foi ouvir “Ui! Ela é brabinha!” em tom de deboche. Olhei pra trás de novo, “Vou perguntar se ele ia gostar de ouvir da filha/mãe/companheira/irmã que alguém tinha mexido com elas na rua”, o sinal já tinha aberto. FRUSTRAÇÃO!!!”