Cantada 386

386 –   “Olá ! Primeiro de tudo, gostaria muito de agradecer a todos os relatos aqui compartilhados, eles nos fazem ver que a nossa luta é todo dia!  De uns tempos pra cá, decidi que não ia mais tolerar isso. Tiveram homens que deram risada da minha cara, uns que ficaram sem reação e até os que me xingaram quando mandei um “me respeita, seu filho da puta”. Virou um hábito sair de casa e já imaginar respostas pra dar pra esses nojentos.  Ontem, não podia ser diferente. Estava no carro com uma amiga minha, de vidro aberto, quando um motoqueiro parou do nosso lado no trânsito e começou a falar os absurdos que nós já estamos cansadas de ouvir. Completamente revoltada, mandei o “me respeita, seu filha da puta, não te dei essa liberdade” de sempre. O motoqueiro ficou descontrolado e começou a me chamar de vagabunda, dizendo que não havia falado nada demais pra mim e que eu era uma puta. Enquanto ele me xingava, comecei a subir o vidro do carro e assim que ele fechou totalmente, o cuspe dele manchou o vidro. Por muito pouco o cuspe desse idiota não me acerta. Me senti completamente impotente diante dessa situação, quem esse cara pensa que é? Minha amiga ficou muito assustada e pediu para que eu não fizesse mais isso, e que se alguém mexesse, para eu não falar nada.   Até quando vamos ter que passar por essas situações? Apesar do susto, vou continuar SIM respondendo a essas cantadas, mas agora serei um pouco mais educada e falarei apenas um “me respeita, por favor”.  e só pra não esquecer: A NOSSA LUTA É TODO DIA!”  Beijos para tod@s