Cantada 387

387 – “Gostaria de compartilhar o que aconteceu comigo agora a pouco. Trabalho à noite numa cervejaria dentro de um shopping. Hoje tinha um cliente (entre 40 e 50 anos) me olhando muito. O tempo todo, me encarando fixamente, eu andava pra lá e pra cá servindo as mesas e ele acompanhava. Eu passava pela mesa dele pra atender as do fundo, e ele virava pra me olhar, torcia o pescoço mesmo. Isso começou a me incomodar… mas ficou pior, quando eu passava os olhos pela mesa dele (porque tinha que ficar de olho nas mesas todas), ele mandava beijinho. Fez isso várias vezes, eu olhava sem querer e ele mandava. Eu ia atender a mesa do lado e ele ficava me secando. E eu não podia fazer nada, não podia espantá-lo porque era cliente, e meu chefe estava lá. Depois de horas, ele pagou a conta foi embora, aí fiquei aliviada… trabalhei normalmente, até as minhas colegas avisarem que ele tava no terceiro andar, parado, me olhando (a cervejaria fica embaixo das escadas rolantes, dá pra ver do andar superior). Eu ia pra um lado, ele ia também pra conseguir me ver, eu ia pro outro lado, ele acompanhava… ficou umas duas horas nisso, até perto da hora de fechar. Comecei a me esconder embaixo das escadas rolantes, onde ele não conseguia me ver, então minhas colegas disseram que, quando olhavam pra ele, ele ficava dizendo coisas como “é a de óculos” (uso óculos no trabalho), tipo me chamando. Fiquei morrendo de medo, pensando que ele podia ficar me esperando lá fora, sei lá. Fora o constrangimento no trabalho, me incomodou tanto que fiquei assustada e me distraí, me atrapalhou. Fiquei muito abalada mesmo, com vontade de chorar… mas tive que segurar, continuei trabalhando. Falei com um segurança do shopping e tomaram providências, aí o cara sumiu. Mas fui embora com muito medo, vim chorando no ônibus, cismada com qualquer um que passava perto de mim no caminho do ponto até em casa. Foi horrível a sensação. As pessoas costumam pensar que, se não houve contato físico, não houve aproximação, então “não tem problema”. Mas esse homem me constrangeu e assustou de verdade, me incomodou no meu trabalho. Fiquei paranoica, além de me sentir impotente. E ele continuou me assediando na cara de pau, até que pedi ajuda ao segurança. Qual o propósito disso? Qual o fundamento em constranger alguém dessa maneira? Que tipo de maníaco sente prazer em acuar e incomodar uma pessoa?!”
“Por isso estou sozinha” [por Ryane Leão, escritora feminista] Meu amigo me puxou pelo braço e tentou me dar um beijo, mesmo sabendo que sou lésbica, e eu esquivei e disse que não. Ele levantou e gritou pra mesa “POR ISSO ELA ESTÁ SOZINHA”. Nesse dia eu não respondi e fui pra casa frustrada. De novo a visão deturpada de que nós mulheres, envolvidas ou não com alguém, temos a obrigação de dizer sim a tudo. A tudo. E olha que ele sabe pelo que estou passando. Não estar me relacionando no momento não diz respeito a ninguém a não ser a mim mesma, mas sei que esse tipo de comentário acontece em qualquer situação. Se uma mulher não aceita alguma coisa, quase sempre escancaram que ninguém a quer. Como se alguém realmente soubesse de alguma coisa sobre ela. Como se o cara que acabou de chegar não estivesse querendo ficar com ela antes do não. Ela sou eu e qualquer outra mulher. Querem roubar meus segredos, minha solidão e meu poder de decisão. Me enfiam nos ouvidos coisas como “sendo assim ela jamais vai arrumar alguém”. Querem me convencer de uma realidade minha que não existe. Querem que eu fique constrangida, triste e fodida. Querem que eu ceda e assuma que TODA MULHER PRECISA DE HOMEM. Querem, acima de tudo, que eu não seja eu. Estar solteira é um crime. Eu vou explicar o por quê de estar “sozinha”: terminei um relacionamento de 4 anos há um mês e meio e estou desgastada. Estou escrevendo dois livros, estou descansando, estou trabalhando (ótima parte pra alguém dizer “se afunda tanto em trabalho que esquece do que é bom”). Fiquei com duas mulheres depois disso, mas nada demais. Eu estou na minha, me recompondo, respirando. Mas a história de uma mulher pode ser mais branda ou mais pesada. Primeiro e mais importante: ela pode estar solteira porque ela QUER. Ela pode estar solteira porque o (a) ex parceiro (a) a agrediu. Ela pode estar solteira porque tem dificuldades de se relacionar. Ela pode estar solteira porque seus pais se separaram e ela tem um trauma. Ela pode estar solteira porque algum familiar morreu e ela não está sabendo lidar. Ela pode estar solteira porque está fazendo tratamento pra depressão. Ela pode estar solteira porque não pode assumir sua orientação sexual. Ela pode estar solteira e aberta para o amor, mas se fechando a cada comentário desse. Ela pode estar solteira porque foi estuprada. Ela pode estar solteira porque abortou. Mas ninguém se interessa, o único ponto do machismo é conseguir fazer com que ela se sinta culpada por uma coisa que nem devia estar sendo julgada. Ninguém quer saber, por isso falo, por isso escrevo. Os meus motivos para estar “sozinha” são SOMENTE meus. Isso serve para todos. Apenas retire da sua cabeça que você tem o direito de esparramar a mão numa mesa e rir de mim. Você não está sendo engraçado (a), meu amigo (a). ******************************************