Cantada 393

393 – ” Eu não tenho por hábito discutir com babacas que agridem mulheres na rua, com as suas cantadas ainda mais bacacas. Geralmente eu xingo de qualquer coisa que me venha a cabeça e saio andando. Mas nesse se dia em particular eu perdi a linha. Estava indo almoçar, andando, em uma avenida movimentada (umas das principais da cidade, veja a audácia do cidadão), quando ao passar perto de uma ciclovia o cara me manda um “que bocetinha gostosa”. Perdi a linha. Comecei a gritar em alto e bom som, um escândalo mesmo, que ele era nojento, perguntei a plenos pulmões se ele não tinha mulher, filha mãe. Que ele era doente. Nisso o sinal fechou na ciclovia e ele teve que parar (todo mundo que estava em volta olhava pra ele). Tentou anda se abaixar atrás de uma caixa de coisas que estava na bicicleta, ai comecei gritar anda mais: É esse, esse fulano de blusa listrada, tentando se esconder atrás da caixa. Ficou com vergonha? Devia pensar nisso antes de falar merda. O sinal abriu. Ele foi embora ainda abaixado acredito que envergonhado por não esperar essa reação. E eu, eu fui embora feliz da vida, rouca, mas feliz.”  Samantha Steil