Cantada 435

435 – “Esses dias eu estava no ônibus, com MUITA raiva, ligando pra Ceturb porque os ônibus seletivos não passaram e eu fiquei uma hora no ponto esperando. Quando desliguei o telefone o homem que estava perto de mim disse “Que bravinha linda”. Eu já estava com MUITA raiva mesmo e fiquei pior ainda, virei pra ele e disse “você ta falando comigo?” ele tentou despistar, mas ai eu perguntei de novo “você esta falando comigo? porque se tiver, vá tomar no centro do seu cu, porque eu não te dei intimidade pra falar comigo”. Nisso ele ficou todo bravo e começou a me xingar e disse que se tivesse em outro lugar me dava uma surra. Ouvindo isso, o cobrador parou o ônibus e mandou o cara descer, outros homens que estavam no ônibus disseram que se ele não descesse agora, ele que ia levar uma surra bem dada. Cheguei em casa e contei isso pra minha mãe, isso foi terça feira. Hoje ela contou isso pro meu pai, e adivinhem? Levei uma bronca. Minha mãe disse que o cara só fez um elogio e que eu tinha que ter ignorado se não tivesse gostado, e que ela não criou filha pra ser tão mal educada. Meu pai disse que eu era uma fresca, que não tem isso de “meu espaço” em ônibus e o cara tinha toda razão de ter ficado com raiva de mim. Pois é, o cara me da uma cantada tosca vendo que eu to em uma situação difícil, depois me xinga de tudo quanto é nome, diz que vai me dar uma surra e a culpa é minha, porque eu sou sem educação. Tadinho dele.”