Cantada 487

487 – “Todo dia eu saio pra correr, lá pro fim da tarde, em uma pista que tem perto de casa. A pista fica do lado de uma avenida e é bastante movimentada, sempre tendo cerca de 30 pessoas se exercitando por esse horário. Hoje eu estava lá e passei por dois caras empurrando uma bike. Eu vi que um deles olhou pra mim e falou alguma coisa, mas como eu estava correndo e de fones ainda não dei muita bola, poderia não ser comigo. Passado um minuto eu sinto um tapa extremamente forte na minha bunda, seguido da bicicleta passando com os dois. Na hora eu automaticamente soltei um FILHO DA PUTA bem alto e parei. O tapa me desconcertou muito, além de ter doído demais eu me senti extremamente agredida. Eu estava de boa, fazendo meu exercício, ouvindo meu som sem fazer nada pra ninguém e me acontece isso.  Se a situação já não estivesse péssima uma senhora e uma criança, que estavam vindo na direção contrária, pararam e por um instante eu achei que ela iria me confortar, ou perguntar se eu estava bem, sei lá. Para minha tristeza ela veio me falar que eu não deveria ter soltado um palavrão tão alto, por causa da neta dela. Na hora eu fiquei emputecida, eu levo um tapa na bunda e não posso xingar? Respirei bem fundo e perguntei: – Minha Sra, você viu o que aconteceu? – Vi, mas isso não justifica falar desse jeito, tem criança aqui perto. – Ah mas então é tranquilo sua neta ver um cara passando a mão na bunda de uma mulher, mas não é tranquilo ver ela xingando? Agora eu me arrependo de ter sido grossa com a mulher, mas eu não estava me aguentando de raiva. Nem tanto da ignorância dela, mas do abuso do tapa mesmo, acho que eu nunca tinha sentido tanto ódio assim. E porque? Qual a motivação daqueles dois? Será que o cara sentiu um prazer absurdo ao bater na minha bunda? Eram duas pessoas, será que um deles teve a ideia e o outro concordou que era uma coisa muito legal de fazer? Em nenhum momento passou um vislumbre de bom senso ali? E pra piorar a ignorância da senhora – ok não é muito legal criança ouvir palavrão – mas ela achou que realmente era uma coisa que eu precisava ouvir naquela hora?  Enfim, são situações nojentas que passamos todos os dias. Temos que nos munir de coragem e paciência toda vez que saímos de casa, pois podemos ser presenteadas com um tapa, um assovio ou qualquer outra agressão.”