Cantada 491

491 – “Algum tempo atrás escrevi um depoimento anônimo muito doloroso pra mim, por isso prefiro que permaneça anônimo. Mas gostaria muito de agradecer as palavras de apoio e carinho que recebi nos comentários e dizer que me senti amparada por tod@s essas pessoas maravilhosas que fazem parte dessa página. Espero que a página tenha longos anos de atividade e que só cresça à cada dia.   Mas hoje eu vi aqui pra compartilhar uma vitória que, mesmo que pequena, ainda assim é bem significante pra mim! Essa não fica em anônimo não, na verdade eu quero mesmo que todos saibam quem sou. Não tem nada a ver com cantada ou assédio, mas é um caso de misoginia que me afetou muito durante a vida.   Eu cresci numa sendo a filha do meio, tenho uma irmã 5 anos mais velha que se casou e saiu de casa aos 17 anos. E a amo e admiro muito e nós temos um ótimo relacionamento. Também tenho um irmão 4 anos mais novo que eu, com ele eu sempre tive um relacionamento conturbado e hoje ele tem 26 anos e ainda não fez nada que preste com sua vida.   Desde pequeno ele sempre foi tratado como um rei na minha casa. O fato de ele ser o caçula e o único homem, fez com que minha mãe sempre o desse tratamento especial. Meus pais são separados e meu pai morava em SP (a gente é de BH), portanto nós não o víamos com muita frequência. Acho que isso ajudou pra que minha mãe tratasse meu irmão de maneira especial pois, segundo ela, meninos sofrem mais com a ausência do pai do que meninas. Por isso meu irmão não preparava nem o Nescau dele de manhã, enquanto eu e minha irmã éramos super cobradas em tudo. E eu, como era a do meio, sempre levava a culpa por algo errado que meu irmão fazia.   Ele foi crescendo e as coisas foram só piorando. Minha irmã casou e ficou só eu e meu irmão em casa com minha mãe. Meu irmão matava aula com frequência, desobedecia minha mãe em tudo, só fazia merda e nunca recebia nenhum tipo de punição. Enquanto eu era severamente punida a cada pequeno deslize.   Com o tempo meu irmão começou roubar dinheiro tanto meu quanto da minha mãe. Ele usava pra sair, pra comprar coisas pra si mesmo ou pra ir jogar videogame na lan-house. Ele roubava os vale-transportes que eu recebia do trabalho. Não tinha o menor pudor em pegar a quantia que precisava, sem imaginava no quanto eu trabalhava pra ganhar aquele dinheiro. E mesmo ele também roubando da minha mãe, ela nunca o punia, e ainda me culpava por deixar minha bolsa “dando sopa” pela casa.   Com o tempo ele foi ficando agressivo e começou a bater tanto em mim quanto na minha mãe quando a gente o confrontava com as coisas erradas que ele fazia. Eu não era santa também e já fiz muita besteira na vida, mas eu era nova e estúpida. Já ele, ano passado, com 25 anos, cuspiu na cara da minha mãe e a chamou de vagabunda, puta, etc. Fora que ele também roubou dinheiro meu mais ou menos 3 anos atrás. Foi nessa época que o cortei da minha vida completamente. O excluí de todas as minhas redes sociais e fingi que ele morreu. Hoje moro na Holanda e nem sei se ele tá vivo, e toda vez que minha mãe quer falar sobre ele eu mudo de assunto.   Mas hoje de manhã, ao ler o tumblr “101 Homens Pra Não Pegar”, tive uma surpresa enorme. Lá estava ele, meu irmão, no meio dos manés que a gente não quer pegar! Pode até não mudar nada na vida dele ter aparecido no tumblr, mas pra é uma vitória sim, mesmo que pequena…..  Um abraço e obrigada sempre pelo apoio que essa página nos dá Liss Spinardi