Cantada 513

513 – “Queria contar o que aconteceu hoje comigo, preciso desabafar em algum lugar, e como vocês acolhem os casos de gente que sofre esses abusos verbais que dizem que são “elogios”, resolvi desabafar aqui.   Hoje de manhã estava ventando frio, e eu resolvi sair com uma blusa minha grossa, mas que tinha um decote pequeno (e mesmo se tivesse um grande, ninguém tinha nada a ver com como eu visto), e um casaco por cima dela. Porém, lá pras 10 da manhã, começou a fazer um calor daqueles, e eu tirei o casaco, ficando só de blusa, e saí da universidade pra encontrar minha amiga que saiu do meu curso e agora tava estuando pra um outro vestibular num cursinho do outro lado da cidade. Foi aí que começou tudo. Eu tava no ponto de ônibus com duas amigas minhas, e começam a assoviar pra gente. Ignorei, e cheguei no bairro do cursinho. Indo pro cursinho, passei em frente a um centro espírita, e ouvi um assovio, mas ignorei. Só que meu brinco caiu no meio do caminho, e eu tive de voltar na rua desse centro pra ver se ele tinha caído lá. Eu voltei, e ouvi o mesmo assovio passando pelo mesmo lugar. E quado estava voltando pra porta do cursinho da minha amiga porque não tinha achado o brinco, reparei o porque dos assovios: O porteiro do tal centro tava assoviando e olhando pro meu peito com aquele olhar nojento. Fechei a cara o máximo que eu pude pra ele ver o quanto achei isso nojento, e voltei. Aí já dentro do cursinho, no estacionamento, uma moto quase me atropela. Ok, ele conseguiu parar. Mas quando fui atravessar, reparei que ele tava olhando pro meu peito, e era um senhor com idade pra ser meu pai. Eu falei com minhas amigas que eu tava com vergonha da minha blusa, que ia colocar o casaco no sol de meio dia que tava, mas ainda bem que minha amiga me lembrou que meu corpo é meu e eu tenho direito de usar a roupa que eu quiser. Me revoltei hoje, não consegui almoçar feliz como eu queria, e senti raiva o dia todo disso, raiva deles, raiva de mim por não ter gritado um “PERDEU O QUÊ, IDIOTA?”, por não reagir “