Cantada 515

515 – “Oi! Eu gostaria de contar algo que aconteceu comigo esses tempos. Quero permanecer anônima, por favor.  Eu estava no metrô indo a uma entrevista de emprego. Eram umas 10hs. O metrô não estava vazio, mas também não estava extremamente lotado. Dava pra ficar em pé sem ficar colado na pessoa que estava ao seu lado, na sua frente, etc. Eu sempre fico de frente pra janela, porque assim posso ver o reflexo de quem está atrás de mim e sinto-me mais segura.  Estava eu parada, esperando a minha estação chegar quando de repente sinto um homem se aproximando. Como eu disse antes, o metrô estava lotado, mas não lotado a ponto de alguém grudar em você. Eu, já nervosa e com medo, fui indo com o meu corpo pra frente o máximo que consegui e ele vindo junto tentando se encostar em mim por trás. De repente chegou a minha estação! Me senti aliviada! Quando eu fui sair do metrô ele me puxou pelo braço pra trás com tudo, tentando fazer que eu sentisse o seu pênis em mim! Eu dei um grito: “QUE FOI?! CÊ TÁ LOUCO?!” e ele assustado me soltou. Saí correndo (pra direção contrária da qual eu devia ir!) só por medo dele estar me seguindo. Depois me acalmei e engoli o choro, mesmo estando morta de vontade de chorar, pois eu estava indo numa entrevista e não queria chegar lá toda chorosa.  Resumindo: Esse não foi o primeiro episódio, nem foi o último. Parece que o mundo entrou num estado de caos! Ninguém respeita ninguém. Isso me dá um ódio tremendo, pois se não fosse o medo, eu teria uma vida mais agitada. Não tem UM DIA que eu saia de casa sem medo! Todos os dias eu tenho medo. Todos! Só não tenho medo quando estou acompanhada de um homem (fato que acontece raramente) porque infelizmente, pra ter respeito aqui onde eu moro só estando acompanhada de um homem.  Tenho muito medo todos os dias e sei que esse medo me acompanhará a vida inteira, infelizmente.”