Cantada 516

516 – “Estava num churrasco com meu pai e uns amigos nossos quando a conversa rumou para o tema desta página. Uma das mulheres que estavam lá, esposa de um dos caras, contou que mora numa rua onde ninguém nunca mexeu com ela, mas que um dia estava passando em frente a um bar e ouviu alguém dizer: “Não mexa com ela, que ela é mulher do roqueiro”. O cara é roqueiro mesmo, tem banda e tal. Expliquei pra ela que isso não foi nem por respeito a ela, mas sim ao marido dela. Ou seja: “Não mexa com ela, que ela tem dono”. A conversa foi chegando naquele blablabla de que isso é normal, que acontece. Eu disse que não é normal, que eu tenho direito de andar nas ruas sem ouvir obscenidades machistas de homens que se comportam como animais. Meu pai olhou pra mim, sorriu e disse: “Essa é minha filha”, e completou: “ela tem razão. eu tenho vergonha e nojo desse tipo de cara. Inclusive, se eu cruzo com uma mulher na rua à noite, faço questão de atravessar e deixá-la caminhar tranquila. Ela não é obrigada a aguentar a idiotice de homens que não sabem lidar com a realidade delas. Eu ando tranquilo à noite, eu sou grande, nem medo de assalto eu tenho. Com elas é muito pior.” Bem, é meu pai <3 “