Cantada 533

533 – “Há 2 anos minha turma da faculdade foi fazer umas disciplina com um professor que todos diziam ser fera naquela área de estudo e tal. Fiquei feliz ao saber disso porque sempre quis aprender mais sobre aquilo,tinha interesse. Chegando nas aulas, percebi que o sujeito nada ensinava e parecia não ter o menor interesse em ensinar alguma coisa. Falaram que ele estava daquele jeito,pois a nossa turma seria a última que ele daria aula porque estava cansado devido à idade avançada, 80 anos. Mas adorava conversar sobre vários casos na aula que tinham a ver com a matéria e com o curso em geral. Em uma aula, não lembro como, o assunto chegou no funk. Ele começou a dizer que o funk é uma expressão cultural das camadas mais pobres e etc. Ficou elogiando dando a entender que gosta mesmo porque tem muita jovem rebolando e dançando de forma sensual. No fim da aula,como de costume, alguns alunos ficaram em volta dele pra continuar a conversa ou tirar alguma dúvida. Nessa hora uma amiga minha se aproximou pra ouvir o papo e eu fui atrás,pois iria embora junto com ela. Quando chegamos perto, ele voltou a comentar sobre o funk. Aos poucos as pessoas foram saindo e só sobrou eu,ela e uma outra pessoa que estava se preparando pra ir. Eis então que ele passa a falar de coisas indecentes sobre o funk à nós, mais especificamente a ela. Não lembro bem o que era,mas era alguma coisa relacionada a sexo,a dança com ares eróticos e a roupa. Deu a entender que ele gosta muito por causa da putaria (acho que ele usou mesmo esse termo), que é legal ver aquelas meninas se insinuando daquele jeito,pois estão certas porque essas coisas(sexuais)são boas e tal. Minha amiga, mega religiosa, pareceu não ter entendido nada enquanto que eu sentia que ele estava tentando nos assediar…vi que tinha que sair dali logo. Criei uma desculpa e a puxei pelo braço pra fora da sala. Fiquei com nojo. Tempos depois uma outra amiga, numa conversa informal, nos diz que uma menina alertou para que nenhuma mulher ficasse sozinha com ele. Porque uma vez, ela estava fazendo algum trabalho com ele na sua sala quando de repente ele se aproximou e deu um beijo na bochecha dela! Ela ficou tão irritada que o ameaçou dizendo que se ele a reprovasse (ela estava precisando de uns pontos), iria denunciá-lo por assédio sexual! O tempo passou e meses atrás apareceu um processo seletivo para uma bolsa com ele. Eu precisava de dinheiro e de experiencia acadêmica,resolvi concorrer. Mas antes fui perguntar a bolsista dele se ele é legal, se não fez nada de estranho. A garota respondeu que ele é muito bom, inteligente, que sabe de muita e te ajuda em que precisar. Mas que o bolsista teria só que saber 1 ou 2 idiomas porque por ser muito idoso, não sabe usar PC direito e precisa que alguém responda o seus emails. Fui me entrevistar com ele e chegando lá, o velho ignorou o fato de eu saber outros idiomas, de ter feito cursos de especialização por fora e estágio em uma prefeitura. Ele queria alguém que já tivesse participado de algum projeto ou bolsa dentro da faculdade. Perguntou por que eu não tinha nada a essa altura do campeonato, quase no final do curso, e ainda me disse que a minha faculdade talvez não seja a melhor faculdade para mim! Fiquei chocada ao ouvir isso e por um tempo me senti o cocô do cavalo do bandido. Nunca tive nada ali por n motivos, entre eles porque o curso possui poucas bolsas, mas era da conta dele? E esse pré-requisito nem existe no edital. Não sei por que fiz a besteira de tentar algo com um velho safado e tarado, um professor com mais de 80 anos de idade que nunca ensinou nada em suas aulas e que é arrogante! Na mesma semana consegui uma outra bolsa com pessoas mais humildes e que não assediam mulheres. Fico me perguntando o que esse professor tarado faz na faculdade e como chegou a essa idade, todo safadinho, sem nunca sofrer nada.”