Cantada 541

541 – “Tenho 19 anos. Desde os 11 sou abordada na rua, ouço “buzinadas”, não posso andar pelo centro de são Paulo sem ouvir a cada 20 passos que eu “sou linda” e que devia “ser mais simpática”, ou que tinha que “voltar aqui e conversar direito”. É irritante. É degradante.   Talvez por ter passado pela situação desagradável, sinto vontade de falar sobre o contrário. Eu percebo as diferenças, de quando alguém olha pra mim como se eu fosse um pedaço de carne e quando olham pra mim com vontade genuína de conversar, de conhecer, de compartilhar interesses. Eu conheci pessoas legais no metrô. Conheci homens que estavam lendo o mesmo livro que eu, e conversamos sobre isso, sobre gostos musicais, sobre filmes, até chegar na estação de um dos dois e nos despedirmos. Não pediram meu contato, não invadiram meu espaço, não fizeram perguntas pessoais, apenas aproveitaram a companhia e a conversa durante uma viagem de metrô. Posto isso aqui pra lembrar que, apesar de o ruim ser muito mais evidente, não existe só isso. Ainda tem gente que nos vê como pessoas, com opiniões próprias, que querem (OU NÃO!) conversar, e respeita isso. Ainda há esperança. (: “