Cantada 565

565 – “A feira estava no final, os feirantes estavam recolhendo as barracas. Passei e ouvi um “Ooooi, beela”, *naquela* voz. Me virei, olhei pro sujeito e encarei com a expressão mais desgostosa possível. Ele abaixou a cabeça e disse “tenha um bom dia”.  Saí andando feliz até o próximo fazer exatamente a mesma coisa. Tudo bem que ele me chamou de bela, mas a voz, aquela voz que parece que o cara tem visão de raio x e tá sabendo até a cor da sua calcinha, que nojo.”