Cantada 578

578 – “Estava eu hoje voltando da academia, obviamente toda suada e nada atraente. No caminho entre a academia e minha casa tem três bares, e geralmente eu evito passar na calçada deles, mas como estava cedo e estava bem vazio, passei. Bem, tinha uma mesa com dois caras, um mais velho de uns 50 anos já e um rapaz, mais ou menos da minha idade (uns 20 e poucos).. quando eu percebi que o cara mais velho me olhava com aquele olhar mais nojento do mundo – que qualquer mulher reconhece de longe. Já comecei a me preparar psicologicamente pra ouvir alguma porquice, e não deu outra. Ele soltou um comentário bem infeliz – daqueles que a gente tá bem cansada de ouvir e por isso não vou repetir aqui. Eu, automaticamente, olhei bem na cara dele e mandei ele se F—–, e ainda xinguei ele de idiota. A cara dele foi impagável: não foi de raiva, mas de espanto. Arregalou dois olhões bem grandes de susto, e ao mesmo tempo o moço que estava na mesa com ele destampou a dar risada. Ele ficou muito sem graça. Depois que eu tinha andado alguns metros ele respondeu alguma coisa qualquer que eu nem ouvi, mas o fato é que deixei ele sem palavras por alguns segundos. O menino ainda ria. Eu geralmente respondo esse tipo de comentário, a menos que seja perto da minha casa. Esse bar é relativamente perto, eu sei que nesse caso devia ter engolido e ficado quieta. Mas não aguentei. Na hora achei bom, por ele ter ficado tão surpreso e pelo menino ter rido tanto da cara dele. Mas depois fiquei com medo, e arrependida de responder…. É difícil ser mulher, né??? 🙁  “