Cantada 581

581 – “Parabéns pela iniciativa! Eu me imaginava paranoica, mas agora vejo que não estou sozinha! Obrigada pelo espaço, que dá voz a tanta gente.  Um dia, estava voltando da escola e já estava perto de casa, subindo um morro, quando eu tive que sair da calçada para a rua, porque a calçada estava ocupada com areia. Então eu ouvi o barulho de uma moto subindo o morro e, quando ela passou por mim, o homem que estava na parte de trás da moto falou alguma coisa comigo que eu não entendi por causa do capacete,e me deu uma chinelada na bunda. Isso mesmo, UMA CHINELADA NA BUNDA! Fiquei calada e estática, completamente sem reação, e ele saiu rindo, como se acreditasse que eu havia gostado! Isso foi na frente de alguns vizinhos meus, o que aumentou ainda mais a minha humilhação. Até hoje, dois anos depois, quando preciso sair da calçada ou atravessar a rua, me certifico de que não há nenhuma moto se aproximando, e caso tenha alguma, não consigo atravessar.”